Noite de Oscar

O seu maior companheiro da temporada de premiações

Histórico de Prêmios – French Exit e o retorno de Michelle Pfeiffer

Michelle foi uma das maiores promessas de seu tempo. Considerada por muitos uma das mais belas mulheres que já passaram por Hollywood, a veterana retorna esse ano com o filme “French Exit”.

“French Exit”, dirigido por Azazel Jacobs, é roteirizado pelo próprio autor do livro no qual o longa se baseia e será distribuído pela Sony Pictures. A história gira em torno de uma viúva que resolve aproveitar os últimos anos de sua vida com o final da fortuna do marido morto enquanto se muda para Paris com o filho e o gato da família, sendo o último a reencarnação do falecido.

French Exit': Michelle Pfeiffer e Lucas Hedges são socialites na primeira  imagem do longa – CinePOP
Primeira imagem oficial de “French Exit”

Trabalhos recentes da atriz são pouco memoráveis ou muito atacados pela crítica, mas entre a década de 80 e 90 ela brilhou intensamente: Participando no começo de clássicos como “Scarface” e “As Bruxas de Eastwick”, a atriz encarou um dos principais projetos da sua carreira em 1988 quando estrelou, ao lado de Glenn Close e John Malkovich, o longa “Ligações Perigosas” de Stephen Frears.

“Ligações” foi aclamado pela crítica e fez um certo sucesso com o público. O nome de Pfeiffer brilhou ao lado do de Glenn Close e ambas foram indicadas ao Oscar, sendo essa indicação a primeira de Michelle. Infelizmente as duas saíram de mãos vazias mesmo sendo as vencedoras morais de suas respectivas categorias.

Os Melhores Papéis de Michelle Pfeiffer no Cinema - Coisa de Cinéfilo
Michelle como Madame de Tourvel em “Ligações Perigosas”

No ano seguinte Pfeiffer estrelava “Susie e os Baker Boys” e por ele ganhou o Globo de Ouro de Atriz em Drama. Por sua interpretação de Susie ela recebeu o prêmio do National Board of Review, outros prêmios de crítica e foi indicada ao Oscar, mas perdeu para Jessica Tandy, atriz veterana que ganhou por “Conduzindo Miss Daisy”. Até hoje a atuação de Pfeiffer é considerada a melhor da categoria sendo a real merecedora do prêmio.

Nos dois anos seguintes ela voltou a ser indicada ao Globo de Ouro por suas performances em “A Casa da Rússia” e “Frankie & Johnny”, mas foi em 1992 que conseguiu sua terceira e última indicação ao Oscar. Tendo ganhado o prêmio de atriz em Berlim, Pfeiffer chegou ao Oscar com o filme “As Barreiras do Amor”. No mesmo ano ela ficou marcada por uma de suas melhores atuações no filme “Batman: O Retorno”. Na adaptação de Tim Burton, Michelle interpretou a vilã Mulher-Gato e entregou uma das maiores performances em um filme de herói.

Batman | Michelle Pfeiffer adoraria reviver a Mulher-Gato | UCS FM
A vilã Mulher-Gato em “Batman: O Retorno”

Em 1993 a estrela participou de “A Época da Inocência” ao lado de Winona Ryder e Daniel Day-Lewis. Pelo papel ela recebeu sua última indicação ao Globo de Ouro, mas acabou não sendo indicada para mais nenhuma premiação.

Depois de tantos sucesso, a carreira da atriz decaiu e foi esfriando cada vez mais. Ela chegou a ser indicada ao SAG por sua atuação em “Deixe-me Viver” de 2002, mas foi a única indicação relevante recebida. Após se retirar das telonas por um tempo, a veterana participou de filmes como “Mãe!”, “Where’s Kyra?”, “Assassinato no Expresso de Oriente” e entrou para a Marvel interpretando a Vespa, heroína dos quadrinhos. Pelo telefilme “O Mago das Mentiras” ela recebeu sua primeira indicação ao Emmy em 2017.

O Mago das Mentiras, protagonizado por Robert de Niro e Michelle Pfeiffer  estreia em 20 de maio | | Acesso Cultural
Michelle e Robert DeNiro em “O Mago das Mentiras”

Já nos cinemas, mesmo com algumas promessas de possível retorno, a atriz acabou não tendo muito destaque nos últimos anos, mas com “French Exit” isso finalmente pode mudar! O longa irá ter sua estreia no festival de Nova Iorque, sendo o filme que irá encerrar o evento. A obra será lançada nos cinemas nos EUA no dia 12 de fevereiro (Um ótimo sinal). O curador do festival disse em anúncio que Michelle entregava a melhor atuação de sua carreira no novo filme de Azazel portanto o nome dela só cresce na corrida.

Num ano em que Pfeiffer e Glenn Close, a dupla de “Ligações Perigosas”, parecem fortes na corrida, os corações dos fãs e dos cinéfilos batem rapidamente já que são duas veteranas que já foram indicadas diversas vezes e tem fama de overdue (Narrativas parecidas). Será que teremos o prazer de ver pelo menos uma delas premiada? Ou será que veremos ambas vencedoras? Resta torcer para a boa recepção do longa de Michelle, que sua atuação seja bem abraçada e que o filme faça justiça ao talento de sua estrela!

Pedro Cardote

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo